domingo, 18 de maio de 2008

ENTREGA A DOMICÍLIO

Nos meus tempos de infância no bairro Azenha, tínhamos entregadores, eram os precursores dos deliverys modernos, só que não tinha este nome. Vendiam à porta verdureiro, padeiro, leiteiro e geleiro. Sim, geleiro, naquele tempo não tinha refrigerador. Alguns tinham geladeira, nos tivemos uma. A geladeira era uma caixa com porta grossa, e trinque igual aos refrigeradores de bebidas dos bares, onde se colocava uma barra de gelo para conservar as bebidas e alimentos perecíveis. Derretida a barra, tinha-se que colocar outras.
Existiam outros vendedores: o de casquinha – que era um canudinho de uma casquinha sem graça ( hoje pois, na época eu achava ótima), as vinha sob a forma de cone, e era carregada pelo vendedor num grande cilindro de metal. Ele anunciava o seu produto através de uma matraca. Vocês já ouviram falar de matraca. A vó, por exemplo, dizia; - Este guri (eu) não pára a matraca. A matraca é composta de uma pequena tábua, onde está pregado em duas pontas um pedaço de arame grosso, e ao girar velozmente a matraca este arame bate de um lado e de outro, fazendo um barulhão. A matraca então anunciava o vendedor de casquinha. No tempo medievais, os arautos do rei tocavam matracas.
O afiador de faca, ou amolador de facas, na linguagem culta, anunciava seu serviço através de uma flauta de êmbolo. Há, esta eu peguei vocês! A flauta de êmbolo nada mais é do que um tipo de flauta, onde cada êmbolo tem uma nota definida, parecido com as gaitas de boca, com a diferença que dão sempre a mesma nota. Ao se assoprar em cadeia ela faz uma linda variação de notas, que é a característica do afiador de faca.
Já o vendedor de picolé... Quem se lembra? O sujeito empurrava uma carrocinha que tinha um buraco com uma tampa de onde ele tirava aqueles - para nós – maravilhosos picolés. Eles na verdade, tinham o gosto de suco de saquinho. Os sabores eram sempre os mesmos : framboesa, morango e uva. Ele anunciava os ditos picolés com uma pequena corneta. Que ouvida depois do almoço trazia muita alegria à gurizada do bairro.
Uma diversão da gurizada era se empoleirar na carroça do verdureiro, quando ele se ia em direção à Rua Botafogo, e saltar quando fazia a curva para entrar. Um belo dia eu que era dos miúdos da gang resolvi fazer o mesmo. Não deu outra, aliás, deu um enorme corte na cabeça, cuja cicatriz ainda hoje.
O verdureiro chamava a todo mundo de freguês, em represália nós os fregueses o apelidamos de Freguês. O Freguês era uma figura. Acho que tinha descendência árabe, pois falava atrapalhado.
Existia também um caminhão de leite que distribuía o produto para a população carente, a preços módicos, e que foi logo apelidado de “vaquinha”. Só era vendido na vilas populares, e nós - cara-de-pau - íamos lá na Vila Maria da Conceição comprar o leite na vaquinha.
Já existia por aqui uma que outra moto – que a gente chamada de motociclo, mas ninguém pensou em fazer entrega com elas. (A palavra motociclo é tão antiga que o corretivo do computador sublinhou como errada.... Hahahah... sou antigo mesmo... )

2 comentários:

Ivone disse...

MAS TU TÁ VELHO EM,MOTOCICLO,MATRACA!MAS A MATRACA A GENTE AINDA VÊ ,ATÉ NA PRAIA TEM COM AS TAIS CASQUINHAS(SEM GRAÇA MAS SEMPRE COMPRO)huahuahuaha.Eu gosto muito de ouvir histórinhas de antigamente,que pra mim não é tão antigamente assim,huahuahuahua!!!Sempre que o dinho vem aqui a gente sempre comenta algumas e damos muitas risadas!PRINCIPALMENTE AGORA QUE SÓ NOS RESTA RECORDAR MESMO NÃO É?COLOCA MAIS ALGUNS ASSUNTOS AI TE MUITOS.......(LEMBRA O TAL DE LEITEIRO QUE ENTREGAVA LEITE EM CASA,DERRAMAVA O BENDITO LEITE E ERA TRADICIONAL A PASSADA DE PÉ NO LEITE,COITADO!BJS

lindiara borin disse...

ahhhh naum eh taum velho assim... só que está morando em cidade graanaanndeee... aqui na minha pequenina cidade ainda temos o carinha do picolé... a carroça do verdureiro...tem o tio que bate na porta da nossa casa pra desentupior nosso fogão.. dia desses até vi um carroceiro entregando leite... essa vigilância sanitária não atacou ainda hehe.. mas eh isso... é só vir um pouquinho mais para o interior que dá pra voltar ao passado tb!! hehehe

Arquivo do blog

QUEM É ESTE ESCORPIÃO?

Minha foto
PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, Brazil
EU E MINHAS CIRCUNSTÂNCIAS